09 março, 2016

Memórias de um avô


O meu avô costumava dizer muitas vezes: "quero morrer feliz". Hoje percebo perfeitamente o que ele queria, na verdade, dizer. O meu avô era uma eterna criança, no bom sentido, pois olhava a vida e as coisas de forma genuína. Conseguia ver para além do óbvio. Conseguia ver beleza e bondade em tudo. E amava a vida, tinha uma amor assolapado pela arte de viver. Aproveitava os dias ao máximo, fazendo mil e uma coisas ao mesmo tempo, mas sempre a sorrir, sempre feliz. O meu avô foi a pessoa mais feliz, verdadeiramente feliz, que eu já conheci. Porque não se prendia às preocupações. Porque não perdia tempo a pensar no futuro. "Sei lá eu se amanhã ainda estou cá", dizia ele, muitas vezes. O facto de ter este espírito livre não o impediu de ser um trabalhador exemplar, que conquistou tudo com esforço, trabalho e dedicação, sem nunca deixar de ser a mesma pessoa boa e humilde.

O meu avô ensinou-me muitas coisas. Ensinou-me a respeitar a natureza e os animais. Ensinou-me a rir todos os dias. Ensinou-me que a vida deve ser aproveitada. O meu avô não exigia nada de mim, a não ser que eu fosse feliz. Não tinha sonhos megalómanos para o meu futuro, a não ser que eu fosse uma mulher livre e de bem com a vida. O meu avô tinha uma estranha capacidade de simplificar. De fazer o complicado parecer simples. De fazer o mau parecer bom. De fazer com que cada dia, por mais cinzento que fosse, tivesse um intervalo de sol e cor.

Hoje apeteceu-me escrever sobre o meu avô. Porque tenho sempre saudades deles. Mas são saudades boas, dos bons momentos, das gargalhadas. Apesar da doença, que fez com que ele passasse momentos maus e dolorosos, sei que o meu avô conseguiu cumprir o que tanto queria. Apesar de ter passado os seus últimos dias de vida confinado numa cama de hospital, sei que ele partiu em paz. E feliz. Sim, o meu avô morreu feliz. E com o coração cheio de amor. Partiu cedo, é verdade, mas soube aproveitar a vida como muitos não sabem mesmo que vivam cem anos.

O meu avô é a minha inspiração. É a minha motivação. É a minha lufada de ar fresco quando me sinto a sufocar numa vida que, por vezes, me parece estranha e não me corresponde. Por isso, tento ser feliz todos os dias. Tento aproveitar a vida o melhor que sei. E espero, um dia, também poder partir em paz e com a certeza de que fui feliz, muito feliz.

18 comentários:

  1. E é tão bom ter memórias assim :)

    ResponderEliminar
  2. O meu avô tb é assim e confesso que tenho medo de o perder :X

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aproveita bem todos os momentos que tens com ele!

      Eliminar
  3. Adorei este texto! É uma pessoa assim que aspiro ser: verdadeiramente feliz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o que eu tenho tentado ser, um bocadinho todos os dias :)

      Eliminar
  4. pelo que descreves, o teu avô é daquelas pessoas que eu tenho a certeza que teria adorado conhecer ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tenho a certeza que sim! O meu avô era muito querido por toda a gente!

      Eliminar
  5. Tão bom, Catarina! Acredito que vais conseguir canalizar para ti essa maneira de estar. Acho que para se ser assim é preciso um bocadinho de disposição natural, mas o resto é a maneira como vemos a vida. E parece-me que estás no caminho certo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que sim, que estou no caminho certo, a tentar ver o copo sempre meio cheio, tal como o meu avô tão bem fazia :)

      Eliminar
  6. Tão bonito ter uma inspiração assim e tão bonito ter essas lembranças tão boas do teu avô, é para isso que a vida serve <3

    http://venus-fleurs.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É muito bom e muito reconfortante ter estas memórias, sem dúvida :)

      Eliminar
  7. Acho que é o grande desejo de todos nós, morrermos felizes, realizados... Estas pessoas são sempre uma grande inspiração - façamos por também nós inspirarmos outros um dia ;)

    ResponderEliminar
  8. Tão bonito este texto e acredito que deva ter sido verdadeiramente gratificante viver ao lado de uma pessoa assim. Tenho a certeza que vais conseguir :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou uma pessoa mais feliz por isso, por ter tido o privilégio de ter um avô assim :)

      Eliminar
  9. Sei do que falas, o meu avô também partiu muito cedo, deixou uma saudade tão grande que ainda hoje me dói. Mas também é no exemplo que ele me deixou onde, muitas vezes, procuro a força pra não desistir de mim, pra viver bem a vida porque eu sei que sempre foi o que ele quis, que eu fosse feliz.

    beijinho
    www.blogasbolinhasamarelas.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A saudade fica sempre, temos é de fazer com que seja uma saudade boa, dos momentos bons! Sempre que estou mais em baixo e mais triste, lembro-me dos momentos bons que passei com o meu avô e fico logo melhor :)

      Eliminar
  10. Que essas boas recordações que acompanham sempre e que consigas ser tão ou mais feliz do que o teu avô.

    ResponderEliminar