08 março, 2016

Dia Internacional da Mulher ou 'o dia que deveria ser todos os dias'

(Ilustração de Monica Crema)

É hoje o dia, o nosso dia, dizem. Dia Internacional da Mulher. Acredita-se que este dia foi instituído como forma de homenagear as operárias fabris de Nova Iorque que, em 1857, foram brutalmente assassinadas enquanto se manifestavam por melhores condições de trabalho, redução da carga horária e aumentos salariais. Contudo, há historiadores que defendem que esta greve e esta chacina nunca ocorreram. Fica a dúvida. Assim como assim, continuo a achar que estes dias associados a qualquer coisa deveriam ser todos os dias. É um cliché, eu sei. Mas faz-me confusão que só neste dia se eleve a condição de mulher. Faz-me confusão que, só neste dia, as mulheres se unam em jantares ou em manifestos. Isto deveria acontecer durante todo o ano e não só no dia oito de Março. As mulheres deveriam estar sempre unidas. Sororidade precisa-se, e de que maneira.

Infelizmente, nos dias que correm, todos os dias oiço e leio comentários que expressam, de forma exemplar, a desigualdade brutal que ainda existe entre homens e mulheres, quer seja a nível de direitos, oportunidades e respeito. E o que mais me choca é quando esses comentários são feitos por mulheres. Para mim, o facto de haver mulheres, da nossa geração, que não defendem a igualdade de género, 'mulheres machistas' (e peço desculpa pelo termo, mas não encontro outro melhor), faz-me confusão, muita confusão.

Posso dizer que sou feminista há já muito, muito tempo, praticamente desde que comecei a pensar pela minha cabeça. Desde a minha adolescência que me apercebi da discrepância que havia no tratamento entre mulheres e homens. À medida que fui crescendo, apercebi-me da desigualdade de género nas suas diversas vertentes. E percebi o quanto era importante pensar diferente e lutar para que isso acabasse.

A violência contra as mulheres continua a proliferar que nem cogumelos. A nível salarial, ainda há mulheres que recebem menos do que os homens, apesar de desempenharem as mesmas funções. O assédio sexual e o assédio moral nos locais de trabalho, e não só, continua a existir. O preconceito e os estereótipos continuam a ser o pão-nosso-de-cada-dia. E poderia continuar aqui o dia todo a enumerar a desigualdade que teima em persistir entre mulheres e homens.

Neste dia dedicado a todas as mulheres, o meu apelo é só um: que nos unamos e lutemos juntas. Que as mulheres parem de ser más umas com as outras. Que a mentalidade machista possa, finalmente, ser diluída, dando espaço a uma nova forma de pensar e agir. Que todas nós nos tornemos feministas. Porque ser feminista não é achar que se é superior a quem quer que seja, muito menos queimar soutiens e deixar a feminilidade de lado (sim, ainda há pessoas que associam o feminismo a isto). Ser feminista é lutar pela igualdade, em todas as suas vertentes. Tão simples quanto isso.

7 comentários:

  1. Também me faz imensa confusão as mulheres machistas, juro que não tenho paciência para elas :|
    Concordo com todas as tuas palavras, é preciso lutar (continuar a lutar) pela igualdade! Beijinhos e continuação de uma boa semana ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um pouco contra-natura, mas o facto é que as há, infelizmente. Beijinhos

      Eliminar
  2. Estou de acordo. Devemos mesmo ser mais unidas. Ainda somos muito 'mazinhas' (para não dizer outra coisa)! Por mim o ideal era chegarmos mesmo a uma altura em que não fosse precisa esta distinção, este dia no calendário. Mas, já que existe, então que sirva para alguma coisa, que sirva para pararmos, homens e mulheres, e pensar bem no mundo em que vivemos! :)
    The Girl In Jeans | Blog
    The Girl In Jeans | Facebook
    Nova Página Três Azul | Facebook

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo isso! Se algum dia este dia deixar de fazer sentido, sentir-me-ei profundamente feliz, pois será sinal de que, finalmente, há igualdade a todos os níveis.

      Eliminar
  3. As pessoas parece que tornam tudo em algo materialista. O Natal seria a comemoração do nascimento de Jesus mas agora nem se lembram disso, é só prendas e prendas. E com este dia é a mesma coisa. Homens que batem em Mulheres acham que neste dia lhes oferecem umas flores e pronto. Mas no dia seguinte volta tudo à mesma merda, ao Inferno! Dia do Pai, da Mãe, dos Avós... Tudo isto não passam de estratégias de marketing porque na verdade o que se faz nesses dias não é reforçar uma ideologia (como neste caso os direitos das mulheres e as lutas pelos mesmos) é apenas promover o consumismo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão. Este dia continua a fazer sentido para lembrar que ainda há muito trabalho para fazer no que diz respeito à igualdade de género.

      Eliminar
  4. Concordo totalmente contigo, ainda há um longo caminho a percorrer para que haja realmente igualdade entre homens e mulheres, mas quero acreditar que já estivemos mais longe de lá chegar.

    ResponderEliminar